ISSO É DISCIPULADO

Loading...

quarta-feira, 1 de maio de 2013

PESSOAS ABANDONAM PESSOAS NÃO ORGANIZAÇÕES


02.05.2013                                                                Romildo Gurgel

O presente artigo tem como objetivo ajudar tanto as organizações bem como as igrejas evangélicas, a melhorarem os seus relacionamentos interpessoais entre a liderança e seus liderados. Acredito que a crise de rotatividade nas organizações deve-se a algumas questões  que se passam desapercebidas entre líderes e liderados. O fato é que negligenciamos o fluxo de saída  e entrada no quadro funcional destas organizações sem que percebamos os reais  motivos que levam tal fato acontecer.  Quero deixar aqui a minha contribuição, sabendo que a tarefa não é fácil, mas se de uma forma humilde  entendermos e estivermos abertos a aprimorarmos a relação entre líder e seus liderados, poderemos tentar diminuir consideravelmente esse fluxo de saída desse pessoal de enorme valor, ativo esse, que foi capaz de adicionar valores a organização enquanto estavam nelas.  Oro para que isso aconteça mais ainda na igreja. No entanto, leia até o final este artigo e  que o Senhor nos ajude a entendermos nossa parte.

SOCORRO  ESTÃO INDO EMBORA E AGORA?

Se quisermos ter insight das pessoas, precisamos dar melhor atenção a elas e ouvi-las. Na condição de líderes poucos atentam para isso, porque o foco está sendo  concentrado na produção e nos resultados.  Na maioria dos casos pessoas que eram competentes  funcionários e depois de algum tempo se tornam relapsos quanto ao seu desempenho, é uma oportunidade que a liderança não deve deixar passar de colher, inúmeros dados poderão ser coletados e analisados, para um possível diagnóstico nas  rotinas internas.  Caso haja algum descaso por parte da liderança, sem que haja motivos justificáveis esse funcionário poderá ser tanto descartado ou ele mesmo se sentira frustrado na posição em que se encontra e caminhará possivelmente para o abandono da função. Mas a verdade é que, a liderança jamais achará que os motivos  pelos quais fizeram eles tomarem essa decisão, foi por ação ou  omissão deles (líderes).  
Algumas fontes estimam que 65% das pessoas saem das organizações  que trabalham por causa de seus gestores.  No popular, ouvimos que  as pessoas deixam seu trabalho ou sua função, mas na realidade o fator verdade é que elas estão desistindo mesmo é de seus líderes.  A dor, o descaso, o abandono e o sentimento de desvalorização, o silêncio, a mudança anônima castigam chicoteando as emoções desse povo e que são frustradas e jogadas fora como se fosse objeto de uso ou embalagem descartável.  Claro que quando se coloca uma pessoa em determinado setor ou trabalho, deve ser colocada segundo sua capacidade de operacionalizar naquela área.
 Uma organização não faz mal a ninguém, as pessoas é que fazem mal uma as outras no exercício de suas funções.  O que ouço por ai é que uma gama de gente abandona  a motivação de trabalhar por causa de funcionários e supervisores diretos. Em uma igreja também  não é diferente. Se o patrão ou líder de qualquer organização  é grosseiro e ignorante, é apenas uma questão de tempo até que os funcionários  percebam isso nele.  
Gostaria de apresentar aqui algumas razões que muitos especialistas no assunto mencionam e que ao mesmo tempo  são bem comuns a qualquer organização, quer seja eclesiástica ou empresariais:

1 – AS PESSOAS DESISTEM DE QUEM FOI VALORIZADA UMA VEZ E DE ALGUMA FORMA FORAM DESCARTADAS.
Não são poucos os que não recebem reconhecimento e retorno positivo ou manifestação de apoio naquilo que fazem no seu trabalho. Com frequência o que acontece é o contrário, as pessoas se sentem desvalorizadas, sugadas até as ultimas, enquanto mais encargos são adicionados em sua rotina normal com a mesma jornada de trabalho. Os líderes agem com soberba e impõem fardos pesados a curto prazo e os desprezam em todo processo. Isto acaba com qualquer relacionamento.
Um especialista em relacionamento John Gottman, gestor capaz de predizer, com alto índice de acertos, disse: o sucesso potencial de um casamento tem como base na interação entre os cônjuges. O que ele usava como indicador do fracasso de um relacionamento conjugal? O desprezo.  Se um dos parceiros tratasse o outro com desprezo, o relacionamento estava, via de regra, fadado ao fracasso. Da mesma forma as organizações, que desprezam um funcionário ou um líder de trabalho seja quem for,  achá-los-á bem distantes sem a mínima pretensão de retorno. 
É impossível agregar valor a quem desvalorizamos!  Se não respeitarmos e valorizarmos as pessoas não há como mantê-las por perto.  Organizações são criadas para que as pessoas sejam valorizadas pelo trabalho que irão desempenhar.  Jesus Cristo foi o maior líder que o mundo pôde ter, ele treinou 12 homens e com esses doze homens Ele está ainda  influenciando o mundo na sua forma de liderar. O exemplo  dEle foi  de  servir, aprimorar, levantar, curar as deficiências do povo, salvar os perdidos, ter o amor como estilo de vida, sem deixar ninguém de fora, acima de qualquer outra coisa, perdoar, dar-se em favor do próximo, na proposta de caminhar, está disposto a caminhar milhas a mais, chorar com os que choram, se alegrar com os que se alegram, e ainda por cima premiar aos que correrem legitimamente a carreira que lhes foram proposta. Jesus é um líder por excelência, mestre dos lideres.

APRENDA COM  ESSAS  DICAS
·         - Procure o valor das pessoas e manifeste seu apreço por elas. Você descobrirá isso na oportunidade de trabalharem juntos como uma equipe.
·          -  Descubra o valor naqueles que trabalham com você.
·         -  Elogie-os por sua contribuição. Eles poderão agregar valor à organização, aumentando a excelência institucional. Poderá agregar valor aos colegas de trabalho, estimulando ou maximizando o desempenho em conjunto como uma equipe ao bem de resultados comuns.
·           - Descubra algo que mereça elogio, e seus liderados sentirão bem em trabalhar com você.

2 – AS PESSOAS DESISTEM DE QUEM NÃO É CONFIÁVEL

“A confiança se estabelece quando as palavras estão de acordo com as atitudes”.
Michael Winston

“Falai de tal maneira, e de tal maneira procedei...”
(Tiago 2:12a)

Você já trabalhou com alguém que não possa confiar?    É terrível ter uma experiência assim, no geral traz muitas dores e sempre o ambiente fica pesado de acobertamentos e impressões camufladas. A comunicação passa a ser interrompida, o silêncio é uma voz de pressupostos intermináveis, o resultado é que alguma coisa vai sair errada sempre. Pesquisas recentes  realizadas nos EUA  (elaborado por Manchester Consulting), diz que a confiança no ambiente do trabalho está em declínio. A pesquisa apontou para cinco formas mais rápidas que levam o líder perder a confiança, vejamos:
·        -  Agir de maneira incoerente com o que se diz.
·        -  Colocar as vantagens pessoais acima das do grupo.
·        -  Sonegar informações.
·         -  Mentir ou contar meias verdades.
·         - Ter uma mentalidade fechada.

Perder a confiança em uma equipe, é a mesma coisa de sacudir uma pedra em um espelho. O vidro se estilhaça, ou seja, não há como ver mais o exemplo do líder e em quem se espelhar mais. Ainda que seja possível colocar todos os pedaços e remontá-lo novamente,  o espelho ficará marcado sem que os liderados percebam o exemplo do lider. Quanto maior o estrago mais distorcida fica a imagem.
 O salmista Davi, certa vez salmodiou  ao Senhor cantando:
“As palavras dos meus lábios e o meditar do meu coração sejam agradáveis na tua
presença, Senhor, rocha minha e redentor meu!” (Salmo 19:14)

A pesquisa  descobriu que a melhor maneira de se estabelecer uma relação de confiança está em:
·        -->  Manter a integridade.
·       -->  Comunicar abertamente sua visão e seus valores.
·    --> Demonstrar aos funcionários ou membros da organização o mesmo respeito dedicado aos líderes superiores, ou seja, não haver fronteiras que dividam os valores que estão no topo da pirâmide com os que estão na base, na linha produtiva. Todos são iguais e formam uma equipe com os mesmos princípios e valores.
·      -->   Concentrar-se mais nas metas comuns do que na agenda pessoal.

As coisas certas tem que ser valorizadas e dentro de um senso de justiça devem ser comum a todos sem exceção. Integridade está no fato de estabelecer uma comunicação aberta e transparente, se não desejar que as pessoas desistam de você, é preciso coerência, abertura e sinceridade com elas.

3 – AS PESSOAS DESISTEM DE QUEM É INCOMPETENTE

Todos gostam de ter a sensação que o seu líder esta dando conta do recado em manter o controle da organização. Sendo assim, ele  inspirará confiança baseada na competência de suas funções e nunca pelo carisma que possui. Em algumas organizações assistimos líderes carismáticos, mas extremamente incompetentes. Agente ouve, os comentários : ‒ olha só, boa instrução, profundo conhecimento, mas desorganizado, vista grossa, nunca chega no horário marcado, incompetente nas delegações, nas relações, não é proativo, demorado em solucionar problemas, em alguns casos abandona ao descaso, etc.
Veja bem esta outra verdade, se as pessoas que trabalham para um líder incompetente possuem alto grau de habilidade, estes viverão preocupadas com as confusões que o líder pode arranjar, e se os liderados se anteciparem, não é raro se instalar um clima pesado de ciúme e inveja no local. De um jeito ou de outro, geralmente a produtividade cai, a moral é afetada e torna-se impossível cultivar um ambiente positivo de convivência, disputas poderão surgir em ambientes assim. 
Um líder incompetente não lidera gente competente por muito tempo, no geral eles vão embora e facilmente arranjam outro local, são trabalhadores competentes. Esses tipos de liderados costumam seguir lideres que são bem mais competentes e mais fortes do que eles.
Sendo assim, é muito fácil fazer afirmações alegando que as pessoas saem das organizações por incompetência, ou por qualquer outro motivo, sem que antes haja ponderações acerca das reais razões de tal desligamento.  Insisto que,  havendo uma boa coleta de dados neste trânsito,  facilitará a saúde da organização a não perder pessoas competentes.  

4 – AS PESSOAS DESISTEM DE QUEM É INSEGURO

Uma outra característica de extrema relevância em um líder, é a segurança nas decisões e naquilo que faz. Se o líder valorizar as pessoas, for integro e demonstrar competência mas, ainda assim,  for inseguro, sua insegurança será facilmente percebida. Desta forma, o seu desejo de poder, de posição e de reconhecimento se manifestará de forma diversa, acarretando em uma demonstração de medo, suspeita, desconfiança e  ciúme. Líderes inseguros sempre querem se tornar excepcionais e indispensáveis, por isso, não querem treinar suas equipes para alcançar seu potencial e serem mais bem-sucedidas do que eles.
As pessoas querem trabalhar para lideres que as estimulem, desejam que as ergam e ajudem a alçar um voo mais alto, não que as mantenham no chão. Anseiam por mentores que as auxiliem a alcançar o máximo de seu potencial. Se os liderados perceberem que seu líder está mais preocupado em manter sua autoridade e proteger a posição que ocupa, eles acabarão ficando desmotivados e, consequentemente, procurarão um local mais propício para o seu desenvolvimento profissional.

QUERO FINALIZAR LISTANDO ALGUMAS MANEIRAS  QUE VOCÊ PODERÁ UTILIZAR  PARA MANTER UM BOM RELACIONAMENTO

·       - Assuma a responsabilidade por seus relacionamentos. Se um relacionamento vai mal, tome a iniciativa de tentar melhorá-lo.
·              - Quando uma pessoa for embora, seja de uma organização ou igreja, faça uma entrevista com ela. O propósito é descobrir se ela quer sair por sua causa, e se for, tente melhorar, começando a pedir desculpas pelo fato que ocasionou a sua saída.
·            - Valorize aqueles que trabalham com você. Chegue perto, reveja os processos, as ações, estimule a inovação e a criatividade, solte as rédeas um pouco, avalie resultados, coloque-os lado a lado com outros períodos, ouça muito, veja os motivos, descubra ações relevantes, elucide erros, ponha critérios e termine motivando-o.
·             -  Reconheça que  a sua saúde emocional positiva cria um ambiente seguro para as pessoas.  
·          -  Demonstre  disposição para aprender e alimentar sua paixão pelo crescimento pessoal e das pessoas que você lidera, seja humilde e aprenda com elas também.

Uma das piores coisas que podem acontecer em uma organização, é perder seus melhores funcionários. Quando isso ocorre, não culpe a empresa, a concorrência, ou o mercado, a culpa pode ser sua ou dos líderes superiores. Nunca esqueça: pessoas abandonam pessoas, não organizações.  Se você deseja manter seu quadro de funcionário e ajudar sua organização a cumprir a missão, então  torne-se um  líder ainda melhor.  Aprenda com Jesus Cristo, o maior líder de todos os tempos quando orou ao seu Pai dizendo:

“Quando eu estava com eles, guardava-os em teu nome, que me deste, e protegi-os, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura” (João 17:12).

Participe da vida dos seus liderados, guarde-os, proteja-os, não deixe que nenhum deles se perca, e nem tão pouco que venha sair da organização por sua causa. Você está na posição de lidera-los e trazer saúde emocional nas funções  que eles desempenham. Tenha uma atitude empática e facilite que os seus liderados trabalharem com vigor, inovação, amor e bem motivados. Sempre que possível premie eles.

Romildo Gurgel
Especialista em Gestão de Pessoas
Pela FARN/RN

Fonte:
1 – Biblia NVI – Editora Vida.
2 – Biblia Vida Nova – Editora Vida.
3 – Chave Bíblica – SBB
4 – Concordância Bíblica – SBB
5 – Maxwell, John C. O Livro de Ouro da Liderança, Rio de Janeiro, Edição Thomas Nelson Brasil, 2008, pp. 158-165. - Extraído daqui  e estratificado com diversas modificações e adaptações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário