ISSO É DISCIPULADO

Loading...

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

SALVAÇÃO ESTÁ NA PESSOA DE JESUS CRISTO


Tozer (p.181), teceu um comentário que a maioria dos cristãos estão confessando uma  meia verdade, quando dividem Jesus em salvador e senhor e ficam na disposição do seu próprio encargo o critério de escolher se ele será seu salvador ou o seu senhor. A sutileza na atualidade é grande, salvação sem senhorio é meia verdade. Dar ênfase excessiva  de um e subestimar o outro, altera o resultado de um todo, sem que estejamos cientes disso, mas a bíblia é enfática o que implica aceitar um e subestimar o outro. Esta meia verdade muda completamente o foco e a leitura da bíblia sagrada, bem como sua interpretação.
O motivo do presente texto é falar exclusivamente desta implicação, e levar o leitor a concluir que não estamos só envolvidos com algumas funções de Jesus Cristo, mas com a radicalidade completa da sua própria pessoa e tudo que inclui na proposta de sua salvação.

Este ensino é de tamanha importante porque em muitas comunidades religiosas acreditam em uma divisão do Cristo salvador e do Cristo Senhor. Um pecador pode ser salvo, sem submeter a Cristo como Senhor. Depois de salvo, parece haver outro apelo de aceitar a Cristo como Senhor e passem a ter uma vida de vitória.

Leiamos a palavra:

“Dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; quem perder a  vida por minha causa, esse a salvará. Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder-se, ou a causar dano a sim mesmo? Porque qualquer que de mim e das minhas palavras se envergonhar, dele se  envergonhará o Filho do homem, quando vier na sua glória e na do Pai e dos santos anjos” (Lucas.9:23-26).

Em resumo, o texto esta falando:

a)      Para todos os seguidores de Jesus Cristo, pois quando ele fala, fala a todos “Dizia para todos...”,

b)      A expressão “seguir após mim”, segue a lógica de caminhar por sendas andadas por Jesus. Ele é o padrão, a referência, a sinalização, o caminho, bem com a VIDA DA NOSSA ALMA. O “eu” tem que ser destronado e Jesus deve ser coroado em nosso interior, pela nossa submissão completa a sua pessoa.

c)      Posto no caminho seguindo os passos de Jesus, nossas preferências vão querer se apresentar sem que perca a liderança, no entanto, implicará em seríssimos problemas no futuro. Pois quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; quem perder a vida por minha causa, esse a salvará”. O problema de separar a salvação do senhorio dá nisso. Receber a pessoa de Jesus, é também deixá-lo assumir o controle da liderança da nossa alma.

d)     Se escandalizar da VIDA e das palavras de Jesus trará sérias implicações ao seguidor quando ele vier buscar a sua igreja.


Perder a alma é a mesma coisa de andar em uma estrada de mão dupla, se ganharmos iremos perder, se perdermos iremos ganhar, conforme esta escrito: "Porquanto, quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; e quem perder a vida por minha causa, acha-la-á. Pois, que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? ou que dará o homem em troca da sua alma? (Mt.16:24-25).   Aqui não se trata da salvação do espírito humano, mas da ALMA.  Da medida que perdemos nossa vida nesta terra, avançamos na estrada, da medida que ganhamos, fazemos atalhos no meio da estrada e retrocedemos. Entendo que a salvação é pela fé, e o galardão é pelas obras. Na revelação das escrituras, não se ganha a salvação da alma pela fé, mas é uma perseverança em estar debaixo da liderança do controle de Jesus Cristo, confira as escrituras: “É na vossa perseverança que ganhareis as vossas almas” (Lc.21:19), “Porque se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida;” (Rm.5:10);  e ainda diz as escrituras: “nós, porém, não somos dos que retrocedem para a perdição; somos entretanto, da fé, para a conservação”. (Hb.10:39). Fé e obras devem andar de mãos dadas. Fé é entrada, e obras é caminhada. Não devemos entrar e seguimos com a alma intacta, isto não é uma forma adequada de se ter Jesus. A proposta do evangelho de Jesus é ele reinar em vida na medida que caminhamos. As nossas obras servem exclusivamente para galardão. Mas de qualquer maneira, até mesmo elas foram preparadas de antemão, como escrito está: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie. Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas (Ef.2:8-10 grifo meu), e ainda fala as escrituras: “aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou” (1Jo.2:6). No entanto, muitos salvos reinarão,  haverá diferentes funções no reino, alguns outros não chegarão a reinar.

SALVAÇÃO COMPLETA

A salvação na pessoa de Jesus, envolver três áreas do nosso ser. Espírito, alma e corpo. E abrange também toda a pessoa de Jesus Cristo e não só parte dele (fé e obras, entrada e caminhada). A salvação precisa ser encarada nestas três dimensões humana, ela deve ser completa, mas nem todos completam o percurso da estrada da salvação, embora estejam salvos. Vejamos: Pela fé nosso espírito humano foi salvo. Já a  salvação da alma, é uma carreira que temos que correr, é processual, gradativa, paulatina, estrada de mão dupla, é um negar  e um perder a si mesmo, é abraçar uma missão em obediência! Portanto devemos correr até ser premiados. Como está escrito: “Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível. Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar. Mas esmurro o meu corpo, e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros,não venha eu mesmo a ser desqualificado” (1Co.9:24-27). Note que o apóstolo aceita uma possível desqualificação.  O corpo tem que ser esmurrado e ser colocado a serviço de Deus, colocado também em obediência a  Deus pela graça de Jesus.. PENSO que na ressurreição alguma coisa poderá estar comprometida, conforme sugere o texto de (Mt.18:8-9), visto que o texto aplica-se a disciplina do corpo, e o nosso tema abranja a salvação na pessoa de Jesus, mas a regra para disciplina do corpo, serve também para disciplina da alma, pelo menos em termo do mesmo processo, visto que o corpo é administrado pela mente, e se tivermos a mente de Cristo, essa amputação é feita primeiramente no interior até sair pelos gestos e atitudes, conforme está escrito: "Se a sua mão ou o seu pé o fizerem tropeçar, corte-os e jogue-os fora. É melhor entrar na vida mutilado ou aleijado do que, tendo as duas mãos ou os dois pés, ser lançado no fogo eterno. E se o seu olho o fizer tropeçar, arranque-os e jogue-o fora. É melhor entrar na vida com um só olho do que, tendo os dois olhos, ser lançado no fogo do inferno (Mt.18:8-9).  Acredito que se os olhos, as mãos, e os pés, forem tratados aqui, nada será comprometido lá. A salvação do espírito é uma providência de Deus, a salvação da alma, exige nossa renúncia e o destronamento do “eu”, é um tratamento diário de quem irá assumir a liderança da nossa vida, no aqui e agora. Já a salvação do corpo será no futuro, respaldada na justiça de como estamos respondendo aos apelos da pessoa de Jesus Cristo em nossa vida. Na ressurreição restará da nossa alma unicamente o que foi tratado por Jesus.  

O texto mais elucidativo no lugar de (Mt.18:8-9) é o de (1Co.4:12-17), porque aqui fala que as nossas obras serão provadas pelo fogo, no entanto apliquei (Mt.18), para demonstrar como o processo ocorre também no interior da alma humana, como as escrituras prescreve dizendo: “Por isso não desanimamos; pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo o nosso homem interior se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação, não atentando nós nas cousas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eterna”(2Co.4:16-18). Caso contrário, a alma intacta, sem tratamento, embora esta pessoa esteja salva, sua alma sofrerá um abatimento na vinda do Senhor. Claro que as amputações da alma no presente, são imediatamente substituídas pela vida da graça de Jesus, visto que, a graça da revelação tanto amputa a vida da natureza pecaminosa como dá novos membros, substituindo os amputados, como está escrito: "Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não são para comparar com a glória por vir a ser revelada em nós” (Rm.8:18). Nossas almas enquanto estivermos por aqui, é colocada na revelação da verdade e o que resta da vida natural, será colocada em determinado grau de sufrágio até perder-se completamente (toda morte é proveniente do inferno, muito embora na prática da fé tomamos a morte substitutiva do Senhor), havendo alguma amputação aqui, obteremos a vida de lá,  já podendo desde então ser desfrutada nessa vida um certo grau da ressurreição de Jesus Cristo. Sobre este processo o apóstolo ainda diz: “Porque nós que vivemos, somos sempre entregues à morte por causa de Jesus, para que também a vida de Jesus, se manifeste em nossa carne mortal. De modo que em nós opera a morte; mas em vós, a vida” (2Co.4:11-12). E ainda fala as escrituras: “Porque a nossa leve e momentânea tribulação, produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação, (2Co.4:17). “Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não são para comparar com a glória por vir a ser revelada em nós" (Rm. 8:18). Ainda continua o mesmo apóstolo dizendo : “Assim, meus irmãos, também vós morrestes relativamente à lei, por meio do corpo de Cristo, Para pertencerdes a outro; a saber, aquele que ressuscitou dentre os mortos, e deste modo frutifiquemos para Deus. Porque, quando vivíamos segundo a carne, as paixões pecaminosas postas em realce pela lei, operavam em nossos membros a fim de frutificarem para a morte. Agora, libertados da lei, estamos mortos para aquilo a que estávamos sujeitos, de modo que servimos em novidade de espírito e não na caducidade da letra” (Rm.7:4-6).

FINALIZANDO

ACREDITO que todos os salvos em Jesus Cristo estão passando por esse processo da salvação da alma. É uma refinação contínua.  É um caminhar intenso e profundo. Penso que a justiça de Deus será assim na segunda vinda de Jesus a esta terra: Quem muito perder a alma, muito ganhará, quem muito ganha muito perde, porém este será salvo, com alguma coisa comprometida ou extremamente suprida. Pois a questão em foco está em nossas práticas progressivas das graças concedidas no nosso caminhar, PENSO AINDA que, os nossos espaços participativos no reino milenar de Jesus Cristo, está na forma de como estamos lhe dando com a graça obediente. Nossa privação em muitas áreas em termos de trabalho e do privilégio de participar do reino de Cristo, reside na refinação de Jesus liderar nossas almas. Portanto, o alerta bíblico é que poderão ser  concedidas ou vedadas a nossa premiação na inauguração dessa nova era do reino milenar de Jesus Cristo aqui nesta terra.

Amém

Romildo Gurgel
Tarde de 18/08/2012


BIBLIOGRAFIA

1 – Bíblia Vida Nova
2 – Chave Bíblica
3 – Tozer, A.W. Verdadeiras profecias. Ed. dos Clássicos,1ª Edição 2003.

Nenhum comentário:

Postar um comentário