ISSO É DISCIPULADO

Loading...

sábado, 23 de junho de 2012

A VERDADE SOBRE DÍZIMOS E OFERTAS




Compartilho agora só uma gota de orvalho sobre o assunto, pois é vasto e muito mal interpretado no meio religioso,  e por falta de conhecimento, muitos são explorados.  A questão dos dízimos e ofertas, de antemão estão explícitos na bíblia sagrada. Que é bíblico é, mas de início, entendo que dízimos e ofertas (foram prescritas na velha aliança). Dízimos começou a existir antes da lei ter entrado em vigor para Israel, portanto com a promulgação da lei ficou regulamentada a lei bem como várias outras questões para todo o povo judeu.  Não são poucos os estudiosos que aplicam esta variável como argumentação para por em vigência o  dízimo na nova aliança .Tudo bem, nada contra, mas entendo que a transição do velho testamento  e novo testamento, lei e graça envolveu tanto judeus como gentios. A convivência do povo judeu era normatizado pela lei de Moisés, já no meio dos gentios não havia  a lei  mosaica como norma legisladora para serem aplicadas. Para Israel eram aplicados dízimos e ofertas, destinados para a tribo de Levi, tribo esta que administrava o templo, objetos sagrados e a sustentação dos sacerdotes e suas famílias. Já para os gentios, observo que nas cartas do apóstolo Paulo o uso é de ofertas e donativos.  Por isso que foi fácil para o apóstolo Paulo pregar a graça de Deus aos gentios sem a imposição da lei. Contudo teve uma comunidade que estava querendo obrigar os seus novos conversos a voltarem a prática da lei, foi onde o apóstolo resiste fortemente dizendo:
 "Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais de novo a jugo de escravidão (aqui o apóstolo esta se referindo a lei Mosaica). Eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. De novo testifico a todo homem que se deixa circuncidar, que  está obrigado a guardar toda a lei. De Cristo vos desligastes vós que procurais justificar-vos na lei, da graça decaístes" (Gálatas 5:1-4).

DÍZIMO ANTES DA PROMULGAÇÃO DA LEI MOSAICA

Assim como não existia a prática do dízimo como lei regulamentar na época de Abraão, também não existia a graça, pelo menos de uma forma mais nomeada, mas uma figura do menor dizimando o maior (Abraão dando o dízimo de tudo a Melquizedeque). 
Esquecemos que no novo testamento se fala mais de dinheiro e negócios do que o velho testamento (são muitos os textos que encontramos tanto nos evangelhos como nas cartas dos apóstolos). Tenho para mim que o que importa sobre estas questões na nova aliança é o que muita gente se esquece de  mencionar. A verdade sobre a mordomia esta sendo esquecida! Não vejo mais o povo de Deus falando sobre esse tema. Nós como cristãos, deveríamos saber que nada é nosso de tudo que possuímos: dinheiro, bens móveis e imóveis, roupas, carro, trabalho, negócios, esposa, filhos, família, amigos, lazer, ministério, dons e nem mesmo a nossa própria vida, tudo pertence a Ele. Se considerarmos que Deus é nosso, se poderá barganhar com Ele e (administraremos Deus) como bem de propriedade ao nosso bel prazer e tudo que vier d’Ele se transforma em um comércio, um negócio um mero bem de consumo.  A trindade não é nossa, nós é que  somos d'Ele, foi Ele quem nos comprou, senão estaríamos vendendo Deus, nós é que somos propriedade exclusiva do Deus altíssimo com tudo que está sobre a nossa administração como mordomos. Se existe um produto (se é que podemos falar assim), nós é que somos esse produto, Deus não é um produto, Deus é Deus, toda a terra pertence a Ele. Nossa posição deve ser assumida como meros mordomos. A grande questão em foco é que Deus vê que alguma coisa nossa é que esta fora do seu pertencimento, muito embora o valor pago por nós fosse compra de direito de propriedade, e tudo pertença a Ele. Esta verdade ilumina mais o significado de  santidade "separação para uso exclusivo de Deus". E se  algumas outras coisas estão ainda  sobre a nossa autonomia administrativa natural, estamos usurpando, sabotando o Seu direito de propriedade. A tristeza prática é o seguinte, aplicamos o  batismo nas águas, mas o coração do batizando ainda não foi emergido completamente para fora do sistema mundo. Aqui entra a grande questão do discipulado, ser ensinado a obedecer a Deus em todas as coisas e telo como SENHOR. 

AGORA

Se você faz parte de uma comunidade e você quer ver as coisas funcionarem de uma forma bem organizada, contas terão que ser pagas ali, muitos dos recursos serão aplicados na obra de evangelização e extensão missionária, você poderá cooperar com um certo percentual que Deus colocará em seu coração. A questão não é 10% ou 20%. Deus moverá o seu coração a ofertar muito além do dízimo. Será uma ótima oportunidade para o exercício de fidelidade na sua mordomia. Dízimo é uma regra para judeus que estão debaixo da lei, já a nossa condição, gentios convertidos é mordomia. Exercite sua mordomia no temor do Senhor junto a comunidade que você frequenta e tem comunhão, Deus o usará em diversas áreas. Esteja disponível para o ministério de socorro. Portanto meu amado leitor, compete a nós o exercício da mordomia como uma atitude de fé e desprendimento alegre,  ou seja, administrar de uma forma zelosa daquilo que não nos pertence.

Em Cristo,

Romildo Gurgel 

atualizado em 24/06/2012





Um comentário: