ISSO É DISCIPULADO

Loading...

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

A MENTIRA



Mentira é a afirmação de algo que se sabe ou suspeita ser falso; não contar a verdade ou negar o conhecimento sobre alguma coisa que é verdadeira. A mentira é o ato de mentir, enganar, iludir ou ludibriar. No entanto, a mentira em excesso ou de forma compulsiva pode ser sinal de um transtorno psicológico chamado Mitomania.
No âmbito religioso, a mentira é considerada um pecado divino, estando relacionada com o que é mau, maligno ou indigno. Na doutrina cristã, por exemplo, a mentira é representada pela figura do diabo, considerado o "pai das mentiras", para os cristãos.
Conta-se que um pai tinha um filho adolescente que mentia muito. Em tudo o filho mentia. Então, o pai procurou o médico psiquiatra e disse que foi pedir ajuda porque seu filho, desde que acorda até a hora que dorme, vive mentindo. O pai perguntou o que deveria fazer para acabar com a mentira do seu filho, pois isso o incomodava, fazia-lhe mal. E o médico psiquiatra disse que daria uma receita que acabaria com a mentira do filho. Pediu para o pai pensar numa história, numa mentira, na maior mentira que pudesse contar ao filho. Porque, quando ele ouvisse aquela mentira, se chocaria e pararia de contar mentiras.
O pai concordou com o psiquiatra e chamou o filho: - Vem aqui Joãozinho. Eu quero lhe contar uma história que se passou comigo. – Veja que o pai estava sendo indicado pelo médico para agir assim.  -Meu filho, papai estava jogando golfe e de repente, sai do meio do mato um cachorrinho poodle marrom. Ele veio e tentou me morder. E eu bati nele com o taco do golfe, ele correu para dentro do mato. Naquele instante vinha saindo um gorila de uns quinhentos quilos. Aquele poodle partiu para o pescoço do gorila. Deu-lhe uma mordida; lançou-o no ar; lançou o gorila para dentro de um lago; correu lá deu-lhe mais umas mordidas; arrancou-lhe os olhos; abriu-lhe o estômago; afundou o gorila que morreu. Meu filho, você acredita nesta história? -  E o filho disse que acreditava sim. E o pai perguntou por quê? E o filho disse que aquele cachorro era o seu cachorro. Ele já tinha contado tantas histórias mentirosas do cachorro!

Quando mentimos, ferimos a nós mesmos. A Bíblia diz em Efésios 4:25 “Pelo que deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo, pois somos membros uns dos outros”.
O novo mandamento proíbe a mentira. A Bíblia diz em Êxodo 20:16 “Não dirás falso testemunho contra o teu próximo”.

           Quando mentimos não estamos seguindo o exemplo de Jesus. A Bíblia diz em Colossenses 3:9-10 “Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do homem velho com os seus feitos, e vos vestistes do novo, que se renova para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou”.  A mentira é como se fosse uma roupa para cobrir a nudez. A recomendação bíblica é o desnudamento e o revestimento da verdade.

           Deus detesta a mentira. A Bíblia diz em Provérbios 12:22 “Os lábios mentirosos são abomináveis ao Senhor; mas os que praticam a verdade são o seu deleite”. 

           Os que mentem são excluídos da presença de Deus. A Bíblia diz em Salmos 101:7 “O que usa de fraude não habitará em minha casa; o que profere mentiras não estará firme perante os meus olhos”.

           Os que são desonestos estão incorrendo em seríssimo problema no futuro, não serão permitidos entrar na cidade de Deus. A Bíblia diz em Apocalipse 22:15 “Ficarão de fora os cães, os feiticeiros, os adúlteros, os homicidas, os idólatras, e todo o que ama e pratica a mentira”. 

          Somos considerados mentirosos se dizemos que somos cristãos, mas não obedecemos a Deus. A Bíblia diz em 1 João 2:4 “Aquele que diz: Eu o conheço, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade”.

          A solução para o problema da prática da mentira é confessar seu pecado a Deus e a seu próximo, como está escrito em 1 João 1:9 “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”.
Agora preste atenção: Em 1 João 2:4 diz: “Aquele que diz: Eu o conheço e não guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade”. Então, quando no Antigo Testamento uma pessoa adulterava, jogavam-lhes pedras até a morte. Lembremos da mulher que foi apanhada em adultério, e foi levada a presença de Jesus para todos atirarem pedras? Hoje em dia essa mesma prática existe quando atiram pedras no pecado das pessoas, onde elas mesmas estão envolvidas com as mesmas práticas pecaminosas. Isto é uma forma muito comum no meio cristão de se camuflar. Utilizar de rigor verdadeiro para punir pecados alheios como luz para acobertar o próprio erro é um pecado grotesco maior ainda. Uso da verdade para encobrir o mesmo problema. Ou seja: acende-se a própria “luz” apagando a dos outros, mesmo que seja até verdadeiro o problema alheio. Ocultar o nosso problema tornando público o erro dos outros, mesmo que seja verdadeiro, é uma fraude e afirmação que o pai desse tal é o diabo.

Que Deus nos ajude.


Romildo Gurgel 

Nenhum comentário:

Postar um comentário